Ex-aluno de Jornalismo do UniToledo é aprovado para mestrado na Espanha

Divulgação

Caio Carvalho está entre os selecionados para o mestrado na Universidade Rei Juan Carlos, em Madri, em parceria com a Agência EFE, considerada a quarta maior agência de notícias do mundo

Caio Carvalho está entre os selecionados para o mestrado na Universidade Rei Juan Carlos, em Madri, em parceria com a Agência EFE, considerada a quarta maior agência de notícias do mundo

 

Antes de ingressar na graduação, Caio Carvalho criou um tabloide informativo e estagiou em rádios da cidade de Lins

Antes de ingressar na graduação, Caio Carvalho criou um tabloide informativo e estagiou em rádios da cidade de Lins

 

Entre as conquistas do ex-aluno do UniToledo durante o período de faculdade, está o Prêmio SIP Jovem Universitário

Entre as conquistas do ex-aluno do UniToledo durante o período de faculdade, está o Prêmio SIP Jovem Universitário

 

 

O que para muitos parece ser um desejo quase impossível, para o ex-aluno do curso de Jornalismo do UniToledo Caio Carvalho é só uma questão de dedicação e persistência para se tornar realidade. Dois anos após a conclusão da graduação, o jornalista já acumula uma trajetória extensa de conquistas acadêmicas e profissionais. Na mais recente, foi aprovado em uma bolsa de estudos na Universidade Rei Juan Carlos, em Madri, em parceria com a Agência EFE, considerada a quarta maior agência de notícias do mundo, com escritórios em 120 países.

A bolsa refere-se a um mestrado de Jornalismo de Agência, cujo curso tem foco mais prático, modelo comum na Espanha. Caio explica que são oferecidas quatro bolsas desse curso por meio da Fundação Carolina, uma iniciativa do governo da Espanha, em parceria com grandes empresas do país, que, há 15 anos, oferece a oportunidade da pós-graduação para estudantes da América Latina em diversas áreas. No caso desse programa, há uma parceria com a empresa Gás Natural Fenosa.

Em 2015, foram 50 mil candidatos de toda a América Latina concorrendo a 540 bolsas. Para o curso em que foi selecionado, foram 945 inscrições para as quatro bolsas. Além de Caio, foram selecionados dois jornalistas da Colômbia e uma jornalista da Argentina.

Para o ex-aluno, a conquista é resultado de uma soma de esforços que começou cedo. “Com 13 anos, dei início em Lins ao jornal Diário Informativo, uma tabloide semanal que me ajudou a ter os primeiros contatos com a profissão, e, antes mesmo da faculdade, também trabalhei em rádios da minha cidade”.

Durante a faculdade, Caio foi vencedor do Prêmio SIP Jovem Universitário, do Prêmio Tetra Pak de Jornalismo Ambiental, que como prêmio o permitiu ir à Suécia e à Dinamarca; e foi finalista do Prêmio Santander Jovem Jornalista. Trabalhou em jornais da região de Araçatuba e participou do Curso Estado de Jornalismo, do Estadão.

“Creio que cada uma dessas experiências foram muito importantes para poder me candidatar a essa bolsa. E essa conquista representa mais uma etapa de aprendizado”, resumiu.

EXPERIÊNCIA
A primeira parte do curso teve início no dia 3 de novembro de 2016 e vai até o final de maio deste ano. O curso é dividido em um bloco teórico e um segundo prático. A primeira parte consiste em aulas tanto no campus da universidade como na sede da agência EFE, em Madri.

“Além das aulas, temos palestras com editores da agência e atividades práticas, como acompanhar algumas coberturas jornalísticas”, explica. “Depois, de junho a novembro, farei estágio na redação da EFE em Madri”.

Caio que já iniciou o curso conta que está vivendo uma experiência incrível. Além das aulas teóricas, já teve a oportunidade de acompanhar uma reunião de pauta em que discutiam a agenda dos correspondentes em todo o mundo e acompanhou o trabalho de repórteres.

“Estive, por exemplo, em coberturas sobre as eleições para o Parlamento, em uma entrevista coletiva do ministro da Economia e também em treinamentos do Atlético de Madrid. Nas aulas, temos que produzir várias matérias. Além de propiciar o aprendizado dos diferentes estilos de texto em uma agência de notícias, me ajuda a aperfeiçoar meu espanhol. Além disso, é claro que é uma grande experiência pessoal morar em outro país, vivenciar diariamente outro idioma, outra cultura e conhecer novos lugares. Já pude visitar vários pontos históricos de Madri, algumas cidades da Espanha, Portugal e Alemanha”.

Para o jornalista, além da felicidade pela oportunidade de poder estudar na Espanha, houve a surpresa, ao mesmo tempo, ao ser aprovado devido ao grande número de candidatos. “Confesso que, embora já estivesse com os documentos de aceitação da universidade e da bolsa da Fundação Carolina e envolvido no processo para a obtenção do visto, demorou para ‘cair a ficha’ de que era realidade”, declarou.

DEDICAÇÃO
O que não faltou na formação acadêmica e profissional foi dedicação aos estudos e oportunidades profissionais por meio de estágios e cursos. “Nos quatro anos da faculdade, os professores nos incentivaram bastante a ir além e participar de cursos e congressos de jornalismo, por exemplo. Creio que esse incentivo para buscarmos uma formação ainda mais completa foi muito importante”, disse.

“Creio que os ensinamentos obtidos em sala de aula foram muito importantes em estágios e outras experiências, que me permitiram realizar a candidatura para essa bolsa de estudos e ser um dos selecionados”, comentou.

Para estudantes que pretendem buscar oportunidades de bolsas de estudos fora do país, Caio orienta que o segredo é ir além da sala de aula. “Há uma série de cursos e palestras, muitos deles gratuitos, que incrementam muito a formação, assim como a leitura de livros e publicações especializadas.” O ex-aluno conta que tomou conhecimento de vários cursos e oportunidades de bolsas ao participar de eventos jornalísticos.

Caio também recomenda que o estudante aprenda outro idioma. E outro ponto é dar uma importância maior às notas. “A Fundação Carolina, assim como outras instituições, valoriza bastante o desempenho acadêmico”, finaliza.

Edição: Barbara Franchesca Nascimento