Tecnologia a serviço da sociedade: conheça um pouco mais sobre o profissional de Análise e Desenvolvimento de Sistemas

Assessoria UniToledo

analise1

Para ser um bom profissional na área é preciso não ter medo do desconhecido, ser dedicado, estudar, pesquisar e testar.

Para ser um bom profissional na área é preciso não ter medo do desconhecido, ser dedicado, estudar, pesquisar e testar.

Para ser um bom profissional na área é preciso não ter medo do desconhecido, ser dedicado, estudar, pesquisar e testar.

O mundo hoje é digital. Dificilmente imaginamos empresas em funcionamento sem softwares de controle e gestão de seu negócio. Por esse aspecto, o profissional de Análise e Desenvolvimento de Sistemas é tão importante no mercado de trabalho, responsável por criar e manter funcionando relevantes softwares que fazem parte do dia a dia das organizações.

O analista também implanta e desenvolve banco de dados, conhece a estrutura física dos equipamentos e seus periféricos, precisando para isso se manter sempre muito atualizado sobre aplicativos, ambientes operacionais e linguagens de programação. Além disso, esse profissional precisa ter boa noção dos negócios da companhia para a qual trabalha.

O coordenador do curso de Análise e Desenvolvimento de Sistemas do UniToledo, Ronnie Santos, explica que o profissional tem de ter noções de gerenciamento, mas a sua especialidade é a criação de sistemas informatizados, programação de computadores e desenvolvimento de softwares.

“O analista pode trabalhar em empresas de qualquer área, podendo, por exemplo, desenvolver um software agrário com um aplicativo para redes sociais. Para atuar no mercado é crucial se atualizar sobre as novas tecnologias, pois as coisas mudam muito”, explica.

O coordenador ressalta que para ser um bom profissional é preciso não ter medo do desconhecido, ser dedicado, estudar, pesquisar e testar. “Como sempre digo quando me perguntam algo que não sei: ‘isso eu ainda não fiz, mas me dê uma semana que estará pronto’”.

Ronnie afirma que a graduação é fundamental, pois é na faculdade que se tem contato com professores, disciplinas e conteúdos que não encontra em outro lugar. “O ensino superior abre portas e quebra paradigmas, instigando a pesquisa e a busca por novos conhecimentos, além de proporcionar grandes oportunidades, como a que tive de fazer uma especialização e posteriormente me dedicar à área acadêmica”.

O salário desse profissional vai depender muito da sua área de atuação, seu grau de experiência e da região que trabalha, variando de R$ 2.000 a R$ 5.000. “Hoje não vejo a crise em nossa área. No mínimo me aparecem duas vagas de estágio e emprego para nossos alunos por mês. Muitos dos alunos, antes de se formar, já estão inseridos no mercado em empresas de todos os tipos”, finaliza.

Edição: Fernanda Muniz