Alunos do curso de Fisioterapia do UniToledo complementam formação em estágio supervisionado na Apae de Birigui

Guilherme Modesto – 06/04/17

fisio_apae1 fisio_apae2

Por meio das atividades, os futuros profissionais podem entrar em contato com diversos pacientes

Por meio das atividades, os futuros profissionais podem entrar em contato com diversos pacientes

O curso de Fisioterapia do UniToledo também é um entre as diversas graduações da instituição que realiza o estágio para a conclusão do curso. Com o trabalho mais social, os alunos do 9º semestre realizaram entre fevereiro e abril o estágio supervisionado na Apae de Birigui. Durante esse período, os futuros fisioterapeutas atenderam em média três pacientes por dia. Todo o processo foi supervisionado pela docente Camila Tami Stringhetta Garcia.

Com 12 anos de atuação na área da Fisioterapia, a professora Camila é responsável pelo estágio supervisionado no curso na área de Neuropediatria e explica sobre o objetivo da atividade. “Preparar os alunos para a prática profissional, desenvolver a ética e a postura profissional, desenvolver a relação terapeuta, paciente, familiar e equipe multiprofissional. Capacitar o aluno, traçar os objetivos e a conduta fisioterapêutica adequados a cada paciente e despertar o interesse pela investigação científica”.

O estágio é extremamente importante para os alunos, pois este é o momento para eles colocarem em prática todo o conhecimento adquirido nas aulas teóricas. Por meio das atividades, os futuros profissionais podem entrar em contato com diversos pacientes. “Cada paciente tem um potencial enorme para ser explorado e dentro de cada patologia nós podemos melhorar a qualidade de vida deles, seja ensinando ele a sentar simplesmente, manusear um objeto ou até mesmo andar”, conclui Camila.

O aluno João Vitor Cuine Martins, de 21 anos, do 9º semestre de Fisioterapia, não deixa de expressar o sentimento de gratidão pela estrutura do corpo docente oferecido pelo UniToledo e explica também sobre os desafios enfrentados na atividade. “Agradeço por fazer parte da Família UniToledo, pois nessa instituição encontrei um corpo docente extremamente capacitado e disposto a sanar todas as minhas dificuldades. Os estágios supervisionados assim como o da Apae vem com o intuito de colocar em prática tudo aquilo que é aprendido em sala de aula”, conta.

FUTURO PROFISSIONAL
Com a pretensão de seguir na área de osteopatia, João conta sobre as outras áreas que teve contato. “Eu obtive uma experiência muito boa na área de neuropediatria, um contato diferente comparado com as outras áreas como ortopedia e gerontologia. Aprendemos muitas coisas, uma delas foi aprimorar a avaliação em neuropediatria, técnicas específicas para algumas disfunções apresentadas pelos pacientes”, em fatiza.

Kelly Mendonça Garcia, de 21 anos, também está no mesmo semestre de João. A aluna não deixou de enfatizar sobre a excelência do quadro de professores e sobre como tudo fica mais fácil quando aplicado à prática após ter adquirido o conhecimento teórico em sala de aula. Kelly também já sabe qual área quer atuar: neuropediatria e ortopedia.

“Uma experiência incrível, em que mostra a importância das aulas de neuropediatria para a evolução dos pacientes, além de saber exatamente como trata-los. Aprendemos a importância da intervenção precoce no tratamento das crianças de síndromes, a traçar o nosso diagnóstico fisioterapêutico entre outras intervenções”, conclui.

Edição: Barbara Franchesca Nascimento