Do Direito UniToledo para o Ministério Público de Santa Catarina; conheça a história de sucesso de mais um ex-aluno Promotor de Justiça

Álbum pessoal

“Inicialmente, agradeço a Deus, meus pais, noiva, familiares naturais e afins próximos e amigos pelo apoio incondicional e força nas frustrações vividas durante a fase de concursos”, ressalta o ex-aluno do curso de Direito do UniToledo Antonio Junior Brigatti Nascimento, de 28 anos, que desde 16 de junho deste ano atua como Promotor de Justiça Substituto do Ministério Público.

“Inicialmente, agradeço a Deus, meus pais, noiva, familiares naturais e afins próximos e amigos pelo apoio incondicional e força nas frustrações vividas durante a fase de concursos”, ressalta o ex-aluno do curso de Direito do UniToledo Antonio Junior Brigatti Nascimento, de 28 anos, que desde 16 de junho deste ano atua como Promotor de Justiça Substituto do Ministério Público.

“A boa formação acadêmica é o primeiro degrau para a escada da aprovação”. Assim resume o ex-aluno do curso de Direito do UniToledo Antonio Junior Brigatti Nascimento, de 28 anos, que desde 16 de junho deste ano atua como Promotor de Justiça Substituto do Ministério Público na maior circunscrição do Estado de Santa Catarina, o município de Lages.

Natural de Piacatu, em São Paulo, Antonio concluiu o curso de Direito no UniToledo em 2010 e conta que, ao longo da graduação, já havia sido aprovado nos concursos de Estagiário do Ministério Público, Escrevente Técnico Judiciário e Analista de Promotoria I, todos no Estado de São Paulo.

PREPARAÇÃO

O ex-aluno revela que, ao iniciar o estágio no Ministério Público, quando estava no quarto ano da graduação, interessou-se pelo cargo de Promotor de Justiça, em especial, pelas grandes atribuições constitucionais.

A partir de então, começou a preparação nos aspectos práticos, com a elaboração de peças, e nos aspectos teóricos, por meio do estudo de doutrinas que teve acesso na Biblioteca do UniToledo e também adquiridas por recurso próprio. Aulas na instituição e na pós-graduação em Direito Penal e Processo Penal potencializaram os estudos. “Foram árduos anos de preparação”.

ROTINA PROFISSIONAL

Antonio descreve a data em que tomou posse como inesquecível, pois sempre sonhou e acreditou na aprovação no concurso. “A atuação profissional vai ao encontro do meu ideal de vida: ser um agente transformador do meio social, a fim de que as pessoas vivam em paz!”, destaca.

O promotor conta que o trabalho diário começa normalmente às 8h e não há horário para terminar, já que participa de audiências judiciais, reuniões administrativas, júris populares, entre outros. O jurista ainda ressalta que o membro deve ter disposição integral para o pleno exercício das variadas atribuições, principalmente, em promotorias cumulativas ou gerais, nas quais o Promotor de Justiça é responsável por todo o complexo de atividades ministeriais.

“Em regra, trabalho nessas promotorias. Valeu a pena todo o esforço! O Ministério Público catarinense é referência nacional pela sua estrutura magnífica e excelência na administração superior. É uma honra ser membro de tão digna instituição”.

FORMAÇÃO

Brigatti afirma que a boa formação acadêmica é o primeiro degrau para a escada da aprovação, o que significa que, estudar durante o ano letivo, valorizar o momento do aprendizado na sala de aula e buscar conhecimento com os professores e os livros, são fatores essenciais para a aprovação em qualquer concurso público.

“Neste ponto, destaco a excelência dos docentes e da coordenação do UniToledo, bem como a incrível biblioteca, que tem acervo excepcional de livros, dos antigos aos modernos. A junção de conhecimentos práticos e teóricos adquiridos durante a preparação ajudam diariamente no trabalho técnico exercido na Promotoria”.

DICA

O ex-aluno aconselha que os acadêmicos que almejam o cargo de Promotor de Justiça se atentem para o objetivo da atuação: servir a sociedade brasileira. “Atualmente, cada Promotor é um agente político que busca, de modo incessante, a concretização de direitos sociais e a proteção de pessoas vulneráveis. Portanto, como um sacerdócio, o membro deve sempre servir o povo”, conclui.

Antes de começar a responder a entrevista, o Promotor fez um agradecimento especial. “Inicialmente, agradeço a Deus, meus pais, noiva, familiares naturais e afins próximos e amigos pelo apoio incondicional e força nas frustrações vividas durante a fase de concursos”. Gratidão faz parte do caminho dos vitoriosos.

Edição: Barbara Franchesca Nascimento